CMP
Coletivos Pláka
Comunicação, Sistema
Identidade
31 May
2019





Coletivos Pláka
Falhas 2018/2019

Desenhando o novo sistema de comunicação para os coletivos Pláka foram tidas em conta as principais falhas identificadas na temporada 2018/2019:

1 - A rigidez tipográfica e sistemática não permitiu a flexibilidade necessária para hierarquizar o conteúdo mutável ao longo dos cursos.
2 - A rigidez tipográfica e sistemática não permitia variação de escalas e não continha elementos formais que diferenciassem eficazmente os diferentes momentos de comunicação (geral, open call, sessões públicas)
3 - A lógica de composição e critérios gráficos não foram suficientemente característicos para se establecerem como identitários, sendo assentes na derivação da comunicação institucional do site Pláka, o que não construía memória formal, contribuindo para uma percepção da comunicação como plana e estrimamente informativa.

































Pláka 2019
Geomorfismo vs. Prática artística

Comunicação
Sistema


Falar da Tipografia, Flexibilidade
Grelha que pode ser subdividida
Escalas tipográficas para diferenciar momento 1 de 2 de 3
Sistema cromático para diferenciar momentos entre cursos do mesmo programa
Sistema de imagem que complementa o tipográfico — identidade e memória formal



Comunicação
Identidade

Relação entre a tectónica de placas e a criação de novos territórios.
Arte como placo de tensão e geração de novos domínios.
Geomorfismo — Nova Pangea — Novas formas de criar mundos.
Geração de territórios vs. Geração de novas práticas artísticas.

Função activa do questionamento Artístico
Função analítica do questionamento Artístico
Função catalisadora das práticas de curadoria

Calor e pressao / Tensão e tempo
Novos territórios vs. consolidação de terrenos.
Novas formas de criar matéria.
 




Referenciais de dinâmicas e tensões geológicas:






Referenciais de dinânmicas e tensão artísticas:










Coletivos Pláka — Linguagem Gráfica

Partindo das 3 principais dinamicas entre territórios, desenha-se um sistema imagético e tipográfico assente sobre a ideia de tensão, fricção e geração.

A lingugagem gráfica é o primeiro ponto de identidade, que mudará de ciclo para ciclo, sendo o segundo, a sua relação com os critérios de composição com tipografia descritos abaixo.


Construindo sobre estes 3 vectores de dinâmicas que, são pilares da geomorfologia, propomos construir linguagens artísticas que constróem a linguagem gráfica de cada ciclo, contudo, partindo sempre destes três momentos.









Dinamicas Conservativas


Dinâmicas Convergentes (Destrutivas)


Dinâmicas Divergentes (Construtivas)











Coletivos Pláka — Flexibilidade Tipográfica

Contrariando as falhas identificadas na temporada anterior, mencionadas previamente, a estrutura de composição e o comportamento da tipografia para a nova identidade foram desenhados de forma a permitir abraçar tanto um grande volume de informação como comunicações menos extensas.






Os critérios de composição são construídos de forma a potenciar sempre a existência de tensão, sendo que, por utilização de escalas variadas, permitem distinguir claramente cada momento de comunicação ao longo da temporada.
As grandes escalas permitem relevar datas (para as Sessões Públicas), nomes (para o lançamento de cada curso), títulos (para comunicações gerais), etc.

As diferentes formas de compor sobre as áreas permitem, pela primeira vez, hierarquias que por um lado facilitam a leitura como sustentam formalmente a memória visual de cada objeto gráfico.































Coletivos Pláka — Esboços

O conjunto seguinte com o diálogo entre linguagem visual e o sistema tipográfico está em estudo e deve ser lido como um esboço.







Porém representa diferentes intenções de como as duas linguagens se comportarão em conjunto, provando assim a flexibilidade do sistema e a sua iconicidade.

















            
       
                 
       




Obrigado!
31.05.2019